Reunião Universitários - 27 de abril 2013 - Fotos das Reuniões - Educar Para Vida
icon profile blueicon profile redicon profile roseicon profile oliveicon profile doveicon profile turquoiseicon profile greenicon profile yellow

Reunião Universitários - 27/28 de abril 2013

Reunião de Universitários Realizada em 27/04/2013

Nº de fotos: 08

Solidão e Comunidade

Quanto mais descobrimos a nossa espera, nossas exigências, mais tomamos consciência de que não podemos nos satisfazer por nós mesmos, nem o podem os outros, pessoas como nós. O sentimento de impotência acompanha cada experiência séria de humanidade.

É este sentimento de impotência que gera a solidão. A solidão verdadeira não provém do fato de se estar fisicamente só, mas sim da descoberta de que um problema fundamental nosso não pode encontrar resposta em nós ou nos outros.

Pode-se perfeitamente dizer que o sentimento de solidão nasce no coração de cada empenho sério com a própria humanidade. Pode entender bem isso quem acredite ter encontrado a solução de uma grave necessidade sua em alguma coisa ou alguém: e isto desaparece, escapa-lhe, ou se revela incapaz.

Estamos sozinhos com nossas necessidades como uma pessoa sozinha no deserto: a única coisa que podemos fazer é esperar que venha alguém. E não será certamente o homem a trazer a solução; pois o que tem que ser satisfeito são justamente as necessidades do homem.

Mas alguém que descobre e vive verdadeiramente a experiência da solidão, não está só. Somente quem tem a experiência profunda da impotência humana, e portanto, da solidão pessoal sente-se perto dos outros e se achega facilmente a eles, sente o seu grito como o grito de todos, e a sua ânsia e a sua espera como ânsia e espera de todos.


Somente quem possui a verdadeira experiência da impotência e da solidão está com os outros sem cálculos e sem prepotência e, ao mesmo tempo, sem passividade, sem se deixar arregimentar, sem se submeter e tornar-se escravo da sociedade.


Uma pessoa se empenha verdadeiramente com sua experiência humana quando, dizendo “eu”, se sente fraternalmente solidário com o “eu” das outras pessoas.


Seja como for, a resposta de Deus alcançará somente a pessoa assim empenhada.
Mas esta experiência de solidariedade para com os outros, de comunidade, precisa de um ambiente determinado. A comunidade dos apóstolos, por exemplo, nasceu a partir de lugares e pessoas precisas, que não foram escolhidos por eles. Encontraram-se naquele meio quase que por acaso e toda a sua vida dependerá dele.


“Tendo entrado na cidade, subiram à sala superior, onde costumavam ficar. Eram Pedro e João, Tiago e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, e Simão, o Zelota; e Judas, filho de Tiago.”(At 1, 13)


É assim que a nossa humanidade pessoal surge, toma forma e se alimenta num ambiente bem preciso: encontramo-nos dentro, não o escolhemos nós.


Quanto mais nos abrirmos à nossa necessidade e à dos outros, quanto mais atenção dermos ao ambiente em que vivemos, mais ofereceremos aos outros, sinceramente, o nosso senso de comunidade.


A atenção para compreender todo o ambiente, a oferta do nosso senso de comunidade a todas as pessoas do ambiente mede a abertura do nosso empenho humano, coincide com a sinceridade do nosso empenho com toda a humanidade. Não compete a nós excluir alguém da experiência da nossa vida humana; a escolha cabe somente a Deus, que a realiza através da situação a qual nos coloca. De outro modo, seria um intimismo nosso, o abuso de um esquema preconcebido por nós.


(Luigi Giussani – Passos de experiência cristã – Ed. Companhia Ilimitada)

Música Tema da Reunião

 

Busca
Fábio Jr.

Estar sozinho é um caminho pra esta busca
Que quando ofusca é porque eu não sei como agir
Fugir não aceito, nem meu peito aceitaria
Durante o dia coração é pra sorrir
A noite vem, eu sei que é muito mais difícil

É feito um míssil, em pleno céu na noite escura
E esta procura é eterna dia, noite e madrugada
E não há nada que dissolva esta tortura, nada

E o coração se encanta por toda pessoa
Que numa boa, saiba como me tocar
Porque ele sabe que precisa de carinho
Também preciso, mas não quero me entregar

 

E eu não me entrego, porque eu nego envolvimento
É só o momento não é tão sério pra eu pensar
Que esta vez será pra sempre vai dar certo
Porque o deserto é meu e eu vou atravessar

E atravessando eu vou encontrar uma cidade
Onde a felicidade irá me procurar
Porque ela sabe que eu já procurei por ela
e essa pessoa, essa mulher vai me encontrar

E o coração se encanta por toda pessoa
Que numa boa, saiba como me tocar
Porque ele sabe que precisa de carinho
Também preciso, mas não quero me entregar

E atravessando eu vou encontrar uma cidade
Onde a felicidade irá me procurar
Porque ela sabe que eu já procurei por ela
e essa pessoa, essa mulher vai me encontrar

 
Próxima Reunião